NOTAS

Transformação Digital, Inovação, Tecnologia (II)

por CORREDURÍA INTELIGENTE

17 June 2020    •  5 minutos de leitura

Na primeira parte, concluímos que o processo de transformação digital é acompanhado de inovação tecnológica a todos os níveis. As novas tecnologias e o mundo online estão a ajudar a empresa a reorientar-se para o cliente, num ambiente omnicanal e multi-dispositivo onde se geram múltiplos momentos de contacto e diálogo.

Uma das consequências deste novo ambiente digital é que as tecnologias recolhem uma grande quantidade de dados, em todos os momentos desta relação cliente/empresa.

Chegamos ao segundo ponto de vista sobre como responder ao desafio da transformação digital.

Segundo: dados, dados e mais dados… O que fazemos com eles?

A tecnologia tem colocado muitas ferramentas inovadoras à disposição das empresas.

Mas o ambiente digital também significou uma mudança na capacidade de recolher e processar informações. Conceitos como grandes dados, business intelligence, análise da web, etc. já nos são familiares.

E são importantes porque não só são capazes de fornecer dados sobre o comportamento dos clientes, como também ajudam a definir melhorias nos processos da empresa.

Como mencionado, os dados e a sua análise permitem-nos conhecer, como nunca, o cliente, as suas necessidades e o seu comportamento.

Assim, a mediação pode adaptar-se melhor a este cliente e, sobretudo, personalizar muitas das ações, campanhas e promoções.

Conhecer o cliente e personalizar a relação com este leva a uma melhoria em muitas das variáveis essenciais para o negócio (desde rácios de renovação até à diminuição do abandono, etc.).

E não é tudo. Este conhecimento permite e permitirá também que a mediação proponha melhorias nos produtos existentes, melhores produtos e talvez melhorias nos processos de venda dos mesmos.

As grandes empresas do sector estão a trabalhar nisso. Sem ir mais longe, o tratamento desta grande quantidade de dados aponta cada vez mais para a possibilidade de otimizar o risco, refinar os processos de determinação de preços, etc. Em suma, ser capaz de individualizar, por exemplo, o cálculo dos prémios.

CONCLUSÃO:

Os dados e a sua análise permitem o desenho de novos produtos ou a melhoria e adaptação dos já existentes, permitindo ao mesmo tempo a otimização dos processos.

Com produtos/processos novos ou melhorados, as mediações darão um passo em frente e colocar-se-ão numa posição de clara vantagem competitiva. Ter-se-ão adaptado ao novo ambiente e estarão mais próximos do cliente e da sua procura.

O desafio existe e o sector sabe disso. Estamos conscientes de que estamos no processo de transição para o mundo digital. E os big data estão, como vimos, a tornar-se cada vez mais importantes.

E a nossa própria organização?  Obviamente, não está à margem. Aliás, está no centro de tudo.

Chegámos ao terceiro ponto de vista.

Terceiro: em busca da perda de produtividade e eficiência

Num ambiente com foco claro no cliente, a mediação inteligente será a que interpreta adequadamente as mudanças a serem implementadas na sua estrutura, organização, equipa e processos de trabalho.

De certa forma, estamos a bordo de uma aeronave supersónica digital chamada cliente, com uma tripulação treinada para voos de lazer, e um motor e cockpit analógicos.

A transformação digital requer uma infraestrutura moderna, adaptada e preparada.

Desde logística, operações, marketing e vendas e apoio à própria infraestrutura e gestão interna da organização.

As mediações devem evoluir para organizações otimizadas e eficientes em toda a sua cadeia de valor. Mediações caracterizadas especialmente pela sua capacidade de adaptação às mudanças de uma forma dinâmica e rentável.

As tecnologias ajudarão a melhorar os processos através de plataformas mais completas e tecnologicamente avançadas.

Porque a possibilidade de ter tudo conectado, em tempo real e com a possibilidade de conhecer instantaneamente qualquer incidência de qualquer ator gera algumas expectativas ainda complexas de definir.

CONCLUSÃO:

A transformação digital é um desafio para toda a indústria de corretagem.

Os seus pilares são:

  • Uma estratégia orientada para o cliente.
  • Um modelo de comunicação omnicanal.
  • Uma organização adaptável e eficiente.
  • Tecnologia escalável, aberta e flexível que suporta a velocidade das mudanças digitais e a análise contínua dos dados
  • Uma oferta adaptada às necessidades e expectativas dos Millennials e da Geração Z.
  • Um apoio na formação e gestão para manter uma evolução constante.

 

Interessad@ na transformação digital do teu negócio? Contamos-te como o fazer

Ver mais

Temas chave

PÍLULAS DE CONHECIMENTO

Sistemas ERP: utilizações e características

Os sistemas ERP são softwares para empresas que permitem a planificação de recursos e automatizam a sua parte operacional.

25 September 2020

Ler mais

PÍLULAS DE CONHECIMENTO

Estratégia comercial e teletrabalho | Como deve mudar?

O teletrabalho implica mudanças, não só na forma de vender, mas também na própria relação com o cliente. Hoje falamos…

8 September 2020

Ler mais

PÍLULAS DE CONHECIMENTO

Teletrabalho. Organizando a mediação de seguros à distância

As circunstâncias que são conhecidas por todos e relacionadas com a COVID-19 (coronavírus) colocaram o teletrabalho no centro das atenções.…

28 August 2020

Ler mais