NOTAS

Transformação Digital, Inovação, Tecnologia (II)

por CORREDURÍA INTELIGENTE

17 June 2020    •  5 minutos de lectura

Na primeira parte, concluímos que o processo de transformação digital é acompanhado de inovação tecnológica a todos os níveis. As novas tecnologias e o mundo online estão a ajudar a empresa a reorientar-se para o cliente, num ambiente omnicanal e multi-dispositivo onde se geram múltiplos momentos de contacto e diálogo.

Uma das consequências deste novo ambiente digital é que as tecnologias recolhem uma grande quantidade de dados, em todos os momentos desta relação cliente/empresa.

Chegamos ao segundo ponto de vista sobre como responder ao desafio da transformação digital.

Segundo: dados, dados e mais dados… O que fazemos com eles?

A tecnologia tem colocado muitas ferramentas inovadoras à disposição das empresas.

Mas o ambiente digital também significou uma mudança na capacidade de recolher e processar informações. Conceitos como grandes dados, business intelligence, análise da web, etc. já nos são familiares.

E são importantes porque não só são capazes de fornecer dados sobre o comportamento dos clientes, como também ajudam a definir melhorias nos processos da empresa.

Como mencionado, os dados e a sua análise permitem-nos conhecer, como nunca, o cliente, as suas necessidades e o seu comportamento.

Assim, a mediação pode adaptar-se melhor a este cliente e, sobretudo, personalizar muitas das ações, campanhas e promoções.

Conhecer o cliente e personalizar a relação com este leva a uma melhoria em muitas das variáveis essenciais para o negócio (desde rácios de renovação até à diminuição do abandono, etc.).

E não é tudo. Este conhecimento permite e permitirá também que a mediação proponha melhorias nos produtos existentes, melhores produtos e talvez melhorias nos processos de venda dos mesmos.

As grandes empresas do sector estão a trabalhar nisso. Sem ir mais longe, o tratamento desta grande quantidade de dados aponta cada vez mais para a possibilidade de otimizar o risco, refinar os processos de determinação de preços, etc. Em suma, ser capaz de individualizar, por exemplo, o cálculo dos prémios.

CONCLUSÃO:

Os dados e a sua análise permitem o desenho de novos produtos ou a melhoria e adaptação dos já existentes, permitindo ao mesmo tempo a otimização dos processos.

Com produtos/processos novos ou melhorados, as mediações darão um passo em frente e colocar-se-ão numa posição de clara vantagem competitiva. Ter-se-ão adaptado ao novo ambiente e estarão mais próximos do cliente e da sua procura.

O desafio existe e o sector sabe disso. Estamos conscientes de que estamos no processo de transição para o mundo digital. E os big data estão, como vimos, a tornar-se cada vez mais importantes.

E a nossa própria organização?  Obviamente, não está à margem. Aliás, está no centro de tudo.

Chegámos ao terceiro ponto de vista.

Terceiro: em busca da perda de produtividade e eficiência

Num ambiente com foco claro no cliente, a mediação inteligente será a que interpreta adequadamente as mudanças a serem implementadas na sua estrutura, organização, equipa e processos de trabalho.

De certa forma, estamos a bordo de uma aeronave supersónica digital chamada cliente, com uma tripulação treinada para voos de lazer, e um motor e cockpit analógicos.

A transformação digital requer uma infraestrutura moderna, adaptada e preparada.

Desde logística, operações, marketing e vendas e apoio à própria infraestrutura e gestão interna da organização.

As mediações devem evoluir para organizações otimizadas e eficientes em toda a sua cadeia de valor. Mediações caracterizadas especialmente pela sua capacidade de adaptação às mudanças de uma forma dinâmica e rentável.

As tecnologias ajudarão a melhorar os processos através de plataformas mais completas e tecnologicamente avançadas.

Porque a possibilidade de ter tudo conectado, em tempo real e com a possibilidade de conhecer instantaneamente qualquer incidência de qualquer ator gera algumas expectativas ainda complexas de definir.

CONCLUSÃO:

A transformação digital é um desafio para toda a indústria de corretagem.

Os seus pilares são:

  • Uma estratégia orientada para o cliente.
  • Um modelo de comunicação omnicanal.
  • Uma organização adaptável e eficiente.
  • Tecnologia escalável, aberta e flexível que suporta a velocidade das mudanças digitais e a análise contínua dos dados
  • Uma oferta adaptada às necessidades e expectativas dos Millennials e da Geração Z.
  • Um apoio na formação e gestão para manter uma evolução constante.

 

¿Interesado en la transformación digital de tu negocio? Te contámos cómo hacerlo

Temas clave

Ver más

PÍLULAS DO CONHECIMENTO

Etapas da Transformação Digital

As etapas desta transformação vão desde a consciencialização do empresário e da restante equipa até à tomada de decisões a…

22 June 2020

Leer más

PÍLULAS DO CONHECIMENTO

Redes Sociais: definição e características

As redes sociais são uma série de plataformas digitais que permitem a ligação e interação entre diferentes pessoas, bem como…

19 June 2020

Leer más

NOTAS

Transformação Digital, Inovação, Tecnologia (II)

Na primeira parte, concluímos que o processo de transformação digital é acompanhado de inovação tecnológica a todos os níveis. As…

17 June 2020

Leer más